Presidente da ADUFRGS denuncia manobra do governo na composição do FNE

IMG_4766_bx2

Durante o encerramento do seminário “100 anos da Revolução Russa”, no dia 12 de junho, o presidente da ADUFRGS-Sindical, Paulo Machado Mors, denunciou a manobra do Ministério da Educação (MEC), que através da Portaria nº 577/17 e do Decreto de 27 de abril, excluiu do Fórum Nacional de Educação (FNE) as entidades que discordam politicamente do atual governo, entre elas o Proifes-Federação.

No dia 6 de junho, o Comitê Nacional de Luta em Defesa do Ensino Público lançou um manifesto, entregue na Comissão de Educação do Senado no dia seguinte, em que rejeita um fórum de educação definido e controlado pelo MEC. Várias entidades que haviam sido mantidas decidiram renunciar e, juntamente com as demais que foram excluídas, anunciaram a constituição do Fórum Nacional Popular de Educação que irá organizar a I Conferência Nacional Popular de Educação (Conape).

Em sua intervenção no final do Seminário, que teve a ADUFRGS-Sindical como co-promotora e reuniu mais de 400 pessoas durante seis segundas-feiras, Paulo Mors ressaltou que a construção de uma sociedade mais igualitária passa, fundamentalmente, por uma educação básica pública de boa qualidade, acessível a todos. E o fim da composição original do FNE, na opinião do presidente da ADUFRGS-Sindical, significa mais um entrave nesse caminho.



Ver todos